terça-feira, 24 de abril de 2018

É HOJE! CHEVETTE FAZ 45 ANOS COM 221 MIL REGISTROS NO ESTADO DE SÃO PAULO, SEGUNDO DETRAN.

Em 24 de abril de 1973, a General Motors do Brasil apresentou oficialmente à imprensa o Chevette, um duas-portas que foi o seu primeiro carro pequeno no país. 


No sistema do Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran.SP) constam 221.398 veículos do modelo registrados no Estado.

O modelo foi produzido na linha de montagem de São José dos Campos. Com destaque para o bom espaço interno e o baixo consumo, era ao mesmo tempo acessível para as famílias e atraente para os jovens.

Com o tempo, além da versão inicial sedan, sugiram a sedan quatro portas, a hatch, a picape Chevy 500 e a perua Marajó. Uma curiosidade: em 1979, foi lançado o Chevette Jeans, para o público jovem, com estofamento em... jeans.

A produção do Chevette durou 20 anos. O carro saiu de linha em 12 de novembro de 1993, dia em que a GM celebrou 1,6 milhão de unidades produzidas do modelo. Deu lugar ao Corsa.

segunda-feira, 23 de abril de 2018

NISSAN LEAF ULTRAPASSA 100 MIL UNIDADES VENDIDAS NO JAPÃO.


A Nissan vendeu mais de 100 mil unidades do LEAF no Japão desde o lançamento da primeira geração do modelo, em 2010. Primeiro carro elétrico do mundo com produção em massa, é o modelo zero emissão mais vendido globalmente, com mais de 300 mil unidades acumuladas em todo o planeta.

Desde que anunciou, há 10 anos, sua visão ambiental de longo prazo, a Nissan tem trabalhado para reduzir as emissões de CO² de veículos novos em 90% até 2050 (comparado com os níveis de 2000), e também para as emissões de CO² em suas atividades corporativas.

A empresa vem realizando esforços em rumo à construção de uma sociedade com zero emissão. Isso inclui o próprio Nissan LEAF e outros veículos elétricos; o desenvolvimento do sistema "Vehicle-to-Home", que permite aos proprietários do Nissan LEAF usar a energia armazenada nas baterias do carro para alimentar suas casas; implementar soluções em energia renovável fazendo com a utilização de baterias usadas; e cooperar com outras empresas e autoridades locais para estabelecer uma infraestrutura de recargas amplamente disponível.

Baseada na visão de Mobilidade Inteligente da Nissan para uma sociedade mais segura e sustentável em todo o mundo, a empresa vem trabalhando para ampliar a eletrificação e a inteligência dos veículos. A Nissan tem como objetivo abordar as ameaças imediatas que a sociedade enfrenta, como o aquecimento global, problemas de energia, congestionamentos rodoviários e acidentes de trânsito, proporcionando aos clientes experiências empolgantes de direção.

A segunda geração do Nissan LEAF, lançada em outubro de 2017, proporciona uma aceleração suave e potente graças ao seu trem de força elétrico e direção estável graças ao baixo centro de gravidade. O modelo é um ícone da Mobilidade Inteligente da Nissan utilizando a tecnologia de condução autônoma ProPILOT e os sistemas ProPILOT Park e e-Pedal.

"Estamos realmente empolgados por termos atingido a marca de 100 mil unidades vendidas do Nissan LEAF em nosso mercado doméstico e isso não teria sido possível sem nossos clientes, que escolheram esse excelente carro", disse Asako Hoshino, vice-presidente sênior da Nissan e chefe do Comitê de Operações do Japão. "A era dos veículos elétricos chegou. Como líder em tecnologia, a Nissan continuará trabalhando nas iniciativas de Mobilidade Inteligente para entregar produtos e serviços que superem as expectativas dos consumidores", completou.

* Números de vendas acumuladas são baseados em dados da Nissan.

O Nissan LEAF no Japão

> Dezembro de 2010: Primeira geração do Nissan LEAF é lançada com bateria de 24 kWh e 200 quilômetros de autonomia.
> Maio de 2012: Lançamento do sistema "Vehicle-to-Home", no qual o LEAF fornece energia para residências
> Novembro de 2012: Autonomia ampliada para 228 quilômetros
> Setembro de 2013: Vendas acumuladas do LEAF no Japão ultrapassam as 30 mil unidades
> Dezembro de 2015: Autonomia ampliada para 280 quilômetros
> Outubro de 2017: Novo Nissan LEAF é lançado com autonomia de 500 quilômetros
> Março de 2018: Vendas globais ultrapassam as 320 mil unidades

** Autonomia baseada no padrão JC08, do Japão. 

Nissan do Brasil.

Leia> Coisas de Agora.

PEUGEOT, CITROËN E DS TÊM NOVO DIRETOR DE MARKETING NO BRASIL.

Antoine Gaston-Breton é o novo diretor de marketing das marcas Peugeot, Citroën e DS no Brasil. O executivo de origem francesa, responsável pelo marketing da Peugeot desde agosto de 2016, agora assume também o comando da área na Citroën e na DS.



Embora tenha iniciado seu trabalho na filial brasileira há quase dois anos, Antoine Gaston-Breton tem uma relação estreita com o grupo, do qual faz parte desde 1999. Sua experiência em marketing no segmento automotivo também é ampla e inclui passagens por mercados como China, Rússia, África e Oriente Médio.

"Depois do desafio de assumir o marketing da Peugeot e contribuir para a construção da nova imagem da marca no país, com o lançamento de produtos importantes, como o novo 3008, bem como da plataforma de serviços Peugeot Total Care, fico feliz por ter a oportunidade de estar à frente da Citroën e da DS. O momento não poderia ser mais estimulante, especialmente porque a Citroën coloca em prática o seu mais ambicioso plano de lançamento de produtos", afirma Antoine Gaston-Breton, diretor de marketing Brasil – Peugeot, Citroën e DS.

O executivo substitui Nuno Miguel Coutinho, que esteve na direção do marketing da Citroën do Brasil desde 2016, onde foi responsável pelo lançamento de modelos como os novos AIRCROSS, C4 e Grand C4 Picasso, além da ofensiva de veículos utilitários leves. Nuno Coutinho atua no Grupe PSA desde 2006 e já teve passagens por outras importantes montadoras do cenário automotivo. Ele se prepara para assumir uma nova função dentro do grupo.

Citroën do Brasil.

Leia> Coisas de Agora.

VOLKSWAGEN ABRE INSCRIÇÕES PARA ESTÁGIO NO SALÃO INTERNACIONAL DO AUTOMÓVEL 2018.


A Volkswagen do Brasil acaba de abrir as inscrições para o "Estágio Volkswagen - Salão Internacional do Automóvel de São Paulo 2018", maior evento automobilístico da América Latina. Serão selecionados 90 universitários para atuar no atendimento ao público no estande na Marca no Salão do Automóvel, que será realizado de 8 a 18 de novembro, no São Paulo Expo (SP).

Podem participar estudantes do penúltimo e último ano (com término previsto para dezembro de 2018) dos cursos de Engenharia (de Produção, Mecânica, Mecatrônica, Automobilística, de Controle e Automação, de Materiais, Elétrica e Eletrônica), Relações Públicas, Marketing, Jornalismo, Administração, Design, Desenho Industrial, Publicidade e Propaganda e Comunicação Social.

Para ter todas as informações sobre as novidades da Volkswagen, os candidatos escolhidos passarão por um treinamento, entre agosto e outubro, na Fábrica da Volkswagen, em São Bernardo do Campo (SP). Os estagiários participarão de palestras e atividades relacionadas à tecnologia, propaganda, estratégia de marketing, design, engenharia, motores e segurança veicular, além de receberem orientações sobre comunicação, ética, foco no cliente e trabalho em equipe.

Pela nona vez consecutiva, os universitários estarão presentes no estande da Volkswagen envolvendo o público com o universo da Marca. Além disso, o estande da Volkswagen é uma excelente vitrine para o mercado de trabalho, onde os universitários mostram as suas competências e se destacam em um segmento bastante competitivo da indústria e do comércio.

Como participar 

As inscrições para o "Estágio Volkswagen - Salão Internacional do Automóvel de São Paulo 2018" devem ser feitas pelo site www.contratando.com.br/volkswagen até o dia 8 de maio de 2018.

Critérios para inscrição

> Fazer um dos cursos elegíveis no período matutino ou noturno.
> Estar cursando o penúltimo ou último ano (término previsto para dezembro de 2018).
> Disponibilidade para estagiar por quatro horas.
> Inglês intermediário.

Cursos elegíveis

> Engenharia: de Produção, Mecânica, Mecatrônica, Automobilística, de Controle e Automação, de Materiais, Elétrica, Eletrônica.
> Relações Públicas.
> Marketing.
> Jornalismo.
> Administração.
> Design.
> Desenho Industrial.
> Publicidade e Propaganda.
> Comunicação Social.

Benefícios

> Bolsa auxílio.
> Alimentação parcialmente subsidiada.
> Transporte fretado gratuito.
> Estacionamento gratuito.
> Ambulatório médico na unidade.
> Seguro de vida.
> Desconto na compra de veículos Volkswagen.

Volkswagen do Brasil.
Assuntos Corporativos e Relações com a Imprensa.

Leia> Coisas de Agora.

MARCOPOLO EXPORTA 40 ÔNIBUS TORINO PARA O PARAGUAI.


A Marcopolo fechou a venda de 40 ônibus urbanos Torino, desenvolvidos especialmente para a XIMEX S.A., um dos principais operadores de transporte do Paraguai. Os veículos serão entregues até junho e utilizados em linhas na capital Assunção e na região metropolitana da cidade.

"Nos últimos dois anos, os operadores do Paraguai têm investido na aquisição de novos ônibus. Nossa equipe de exportação tem trabalhado muito para conquistar esses novos negócios e na ampliação da presença nos mais diversos mercados, sobretudo em países da América Latina. Os clientes paraguaios estão aproveitando a maior competitividade do produto brasileiro para renovar suas frotas", explica André Armaganijan, diretor de Estratégia e Negócios Internacionais da Marcopolo.

O Marcopolo Torino tem capacidade para transportar 44 passageiros sentados em poltronas City mais ergonômicas, que facilitam a movimentação dos passageiros, internet sem fio (Wi-Fi), sistema de ar-condicionado e calefação. Montados sobre chassi Mercedes-Benz OF 1722, os veículos desenvolvidos para a XIMEX possuem também rampa para acesso de cadeirantes e pessoas com problemas de mobilidade na parta traseira.

Com visual moderno e tecnologia aplicada a favor da funcionalidade, o Torino possui maior largura interna, o que garante amplo espaço para circulação, e iluminação interna em LED. Conta ainda com conjuntos ópticos traseiro e frontal que incluem luz diurna, que proporciona mais segurança no trânsito urbano, e painel de instrumentos com tela colorida de LCD de 3,5 polegadas.

Foto: Douglas de Souza Melo.

Secco Consultoria de Comunicação.

Leia> Coisas de Agora.

CHEVROLET AMPLIA PARTICIPAÇÃO NA STOCK CAR COM PARCERIA COM A EQUIPE CIMED RACING.


Ação é uma oportunidade de ativação para as duas empresas e visa estimular outras fabricantes de automóveis a participarem da principal categoria do automobilismo brasileiro, que estará aberta para outras marcas a partir de 2019.


Mais tradicional categoria do automobilismo brasileiro, a Stock Car terá novidades a partir da próxima temporada, quando completará 40 anos. A mais importante delas é o ingresso de outras fabricantes de automóveis na competição.

Parceira e montadora oficial de todas as equipes de Stock Car na atualidade e presente desde a criação da competição, em 1979, a Chevrolet esteve presente na principal categoria do automobilismo brasileiro com modelos de sucessos de venda da marca no país: Opala, Omega, Vectra, Astra, Sonic e o Cruze.

A Chevrolet está amplindo sua participação na Stock Car por meio de uma parceria com a equipe Cimed Racing para desenvolver ações de marketing e de relacionamento na categoria. Campeã das temporadas 2015 e 2016 e uma das potências da categoria, a equipe Cimed Racing passa a chamar Chevrolet Cimed Racing.

“A equipe Chevrolet Cimed Racing proporciona uma grande oportunidade de ativação para as duas empresas, porém, esperamos que o maior beneficiário desta iniciativa seja para a própria Stock Car, incentivando outras fabricantes de automóveis a ingressarem na competição, o que tornaria a categoria preferida do público no Brasil ainda mais atrativa”, diz Carlos Zarlenga, presidente da GM Mercosul.

A Stock Car é reconhecida como a principal categoria do Brasil, e uma das mais competitivas do mundo, onde praticamente todos os carros andam no mesmo segundo e completou, dia 22 de abril, 39 anos de história.

“Reconhecida no mercado como uma excelente plataforma para ativações de marketing e relacionamento, a categoria desenvolveu nos últimos meses um projeto para atrair novas montadoras, se tornando multimarcas. Ter a Chevrolet apoiando esse movimento é muito importante para a evolução da categoria”, afirma Rodrigo Mathias, CEO da Stock Car.

A relação entre a Chevrolet e a Cimed Racing se estreitou de forma mais acentuada após a participação de Felipe Massa como piloto convidado da equipe para a Corrida de Duplas que abriu a temporada 2018 da Stock Car, no autódromo de Interlagos, no início de março.

Massa, que competiu pela Cimed Racing, foi também o garoto-propaganda da campanha publicitária de lançamento do Chevrolet Equinox, veiculada na mesma época. A sinergia trouxe excelentes resultados até porque uma ação ajudou a impulsionar a outra.

Com a experiência de 16 temporadas na Fórmula-1, Felipe Massa se impressionou com a competitividade da Stock Car e performance dos pilotos. “Curti bastante a experiência”, conta.

O Equinox ainda estreou como o carro-madrinha da categoria – o primeiro SUV da história neste papel. Enquanto o Camaro continua fazendo as vezes de carro de segurança. Em ambos os casos, potência e dinâmica veicular são fundamentais para exercer as respectivas tarefas.

Momento em que os presidentes Carlos Zarlenga, da GM Mercosul, e João Adibe, do grupo Cimed, oficializaram a parceria entre as duas empresas.

Novos talentos


A equipe Chevrolet Cimed Racing mantém renomado time na Stock Car, com quatro pilotos no total: Cacá Bueno, Felipe Fraga, Marcos Gomes e Lucas Foresti. Juntos eles somam a marca de sete títulos na categoria.

Para João Adibe, presidente do grupo Cimed, a parceria ajudará também a estimular a formação de novos talentos no automobilismo nacional. “Projetamos novidades não apenas para a categoria principal, mas também para a formação de jovens talentos, dentro de nosso programa, lançado neste ano com o time Cimed Racing”. O projeto engloba 15 pilotos em 6 categorias, incluindo a base, como o kart e a Stock Light.

A próxima etapa da Stock Car acontece dia 06 de maio, em Londrina.

Os pilotos


Cacá Bueno - Dono de cinco títulos na categoria, Cacá Bueno persegue o multi campeão Ingo Hoffmann, que em 30 temporadas disputadas, venceu 12. Cacá sabe que será difícil alcançar a marca do alemão, mas é o piloto em atividade com maior número de vitórias e títulos. Ao contrário da maioria dos pilotos, Cacá construiu sua carreira sempre direcionada para os carros de turismo. Estreou na Stock Car em 2002. Foi três vezes consecutiva vice-campeão da categoria, levando seu primeiro título em 2006, pela equipe RC. No ano seguinte a parceria com Rosinei Campos continuou e o bicampeonato foi conquistado no Autódromo de Jacarepaguá. Em 2009 Cacá migrou para Red Bull Racing e ao lado do chefe da equipe Andreas Mattheis, conquistou seus outros três títulos.

Felipe Fraga - Começou a carreira em 2001, aos seis anos de idade, no kart. Após diversos títulos na categoria, ganhou o Super Karts USA SKUSA em Las Vegas, e foi penta campeão brasileiro, com cinco títulos consecutivos (2005, 2006, 2007, 2008 e 2009). Em 2010, ganhou a Seletiva Petrobras de Kart e foi Campeão da Copa do Brasil de Kart, quando também recebeu o 4º Capacete de Ouro na categoria Novos Talentos. Em 2014 estreou na Stock Car, garantindo sua primeira vitória na categoria logo na prova de abertura da temporada, em São Paulo. No mesmo ano, em Brasília, Fraga marcou sua primeira pole position. As duas marcas garantiram o nome do piloto de Tocantins na história da categoria, ao ser o mais jovem a vencer uma prova e também o mais jovem a marcar uma pole positoin na categoria, aos 18 anos. O talento precoce de Fraga foi coroado com o título da Stock Car na temproada 2016 e ele se tornou também o piloto mais jovem aconquitar um título na categoria. Finalizou a temporada com 5 pole positions e 5 vitórias.

Marcos Gomes - Filho do tetra campeão Paulo Gomes, Marquinhos começou a correr de kart em Ribeirão Preto (SP). Correu na Fórmula Renault brasileira e em 2005 chegou à Stock Car Light, sagrando-se campeão no ano seguinte. Estreou na Stock principal em 2007, mesmo ano em que venceu sua primeira corrida na categoria, no encerramento da temporada em Interlagos. Após vencer corridas e conquistar pole positions, o primeiro título veio em 2015. Com uma temporada excelente pela Cimed Racing, Marcos Gomes venceu três corridas e largou cinco vezes na pole.

Lucas Foresti - O Brasiliense Lucas Foresti teve, em 2006, seu primeiro contato com a velocidade ao experimentar o kart de seu tio, Constantino Jr., no kartódromo de Brasília. Dois anos depois disso, e com oito títulos mundiais no kart, o brasiliense teve sua primeira experiência no automobilismo com um carro da Fórmula BMW, em 2008. No ano seguinte correu na Fórmula 3 Sul-americana e seguiu sua carreira por diversas categorias, como Fórmula 3 Inglesa, World Series e chegou a Stock Car em 2013. Sua primeira temporada completa aconteceu em 2014 e a primeira vitória aconteceu em Curitiba, em 2015.

GM Mercosul.

Leia> Coisas de Agora.

VOLKSBUS NO OIAPOQUE.
ÔNIBUS VW COMPROVAM ROBUSTEZ NO NORTE DO BRASIL.


A Vale do Amazonas, empresa de transporte de passageiros no Norte do Brasil, aposta na robustez dos ônibus VW para suas operações de transporte urbano, rodoviário e fretamento. 24 novos Volksbus modelos 15.190 e 17.230 acabam de chegar à frota e já estão na ativa, entregando ótimos resultados.

“Parte do lote é equipada com suspensão pneumática, sistema que faz toda a diferença principalmente em condições extremas de rodagem, amortizando a trepidação e conferindo conforto a bordo”, afirma Paulo Cardoso, administrador da empresa.

Os veículos novos dividem-se entre operações como a da linha rodoviária Macapá-Oiapoque, que chega à região mais extrema ao Norte do Brasil, e de fretamento para a região de Presidente Figueiredo (AM), a 240 quilômetros de Manaus, onde há atividade de mineração. Para chegar lá os veículos enfrentam condições severas de tráfego, com estradas de terra.

“A família Volksbus completa 25 anos de histórias e quilômetros rodados nas mais diversas condições Brasil afora. Tudo isso só foi possível graças aos times dedicados de engenharia e pós-vendas, que aprimoraram os veículos e a excelência do atendimento e, claro, à confiança e parceria com o cliente”, destaca Jorge Carrer, gerente executivo de Vendas de Ônibus da MAN Latin America.

A linha de ônibus VW foi desenvolvida sob medida para atender às mais variadas demandas de transporte de passageiros. Com chassis versáteis e robustos, o portfólio atende a operadores que precisam desde os modelos mini e micro que trafegam mais facilmente nos bairros até os chassis com motores dianteiros e traseiros, para linhas distribuidoras e alimentadoras.



O Volksbus 17.230 é indicado para operações de transporte urbano e fretamento, adapta-se a carrocerias de até 13,2 metros, unindo robustez e versatilidade. Com polia adicional de série, facilita a instalação do ar-condicionado. O 17.230 OD ainda traz embreagem de 395 mm de diâmetro e caixa de transmissão ZF 6S 1010 BO de seis velocidades com servo-assistência e troca de marchas acionada por cabos, o que garante maior conforto e durabilidade de todo o conjunto. Equipado com suspensão pneumática na dianteira e na traseira, o novo 17.230 ODS chega proporcionando maior conforto aos passageiros com menor custo operacional.

O 15.190 é ideal para transporte urbano em linhas distribuidoras e alimentadoras, operando como midibus ou fretamento de curtas e médias distâncias. Indicado para carrocerias de até 11 metros de comprimento e PBT de 15 toneladas.

domingo, 22 de abril de 2018

CASE IH LANÇA DRONE PARA ANÁLISE DE ÁREAS E IDENTIFICAÇÃO DE PRAGAS NO CAMPO.

Com o objetivo de proporcionar mais qualidade e produtividade do plantio a colheita, a Case IH lança o seu drone na Agrishow, a maior feira de agronegócio da América Latina, que ocorre de 30 de abril a 4 de maio, em Ribeirão Preto (SP). 



Por meio das tecnologias de mapeamento e processamento de imagens, instalados no drone e em seu aplicativo, será possível analisar áreas extensas e/ou de difícil acesso; monitorar a saúde da vegetação e identificação de pragas e doenças; além de ter rapidez no processo de captação e processamento de imagens e mapas.

Todos esses resultados, obtidos pelo software, geram mais agilidade e assertividade na tomada de decisões. “A CNH Industrial tem uma parceria com a empresa Drone Deploy, que preparou uma versão de software exclusiva para a Case IH, na qual é possível processar imagens de diversas formas”, explica Silvio Campos, diretor de Marketing de Produto da Case IH.

O equipamento pode ser usado em todos os tipos de culturas, como na produção de cana-de-açúcar e de grãos, e até na pecuária. “O drone pode ser usado, por exemplo, para verificar locais com infestação de plantas daninhas. Após o voo, a ferramenta identifica esses pontos e gera um mapa, que, na sequência, permite produzir um mapa de pulverização. Com essas informações, o pulverizador pode fazer aplicações corretas apenas nas áreas infestadas”, exemplifica Campos. 

Essa ferramenta estará disponível aos concessionários da rede Case IH, que poderão oferecer esse serviço aos seus clientes. Mas o produtor que tiver interesse também poderá adquirir o produto. “O objetivo com uso do drone é agregar valor à máquina agrícola. Ou seja, mostrar como é possível melhorar a qualidade do plantio a colheita, além de otimizar a utilização de insumos”, afirma Campos.

Visite: caseih.com.br.

sábado, 21 de abril de 2018

DE CARRO POR AÍ.
Por Roberto Nasser*

FERRARI CRIA VERSÃO PISTA PARA O 488 GTB.


Ferrari 488 Pista, zero a 200 km/h em 7,6s!

Ferrari convidou os jurados do International Engine of the Year a conhecer segredos, desenvolvimento e potência do motor F154CD, seu V8 mais potente, tracionando versão Pista do modelo 488 GTB. Foi em Maranello, Itália, na fábrica em crescente expansão, em circuito privado de testes, em Fiorano – o limite das cidades atravessa a área industrial. Apresentação em protótipo.

Parece curioso, imediatamente após apresentar o 488 e o motor F154, há um ano, ter iniciado o desenvolvimento de potência e rendimento. Mas faz parte da cabeça Fiat gerindo a empresa, em fórmula onde o entusiasmo mundial pela marca é apenas componente bem capitalizado pelo olhar empresarial. A Ferrari expandiu-se para produzir 800 carros/mês, número e mercado inimaginados há poucos anos, segmento em expansão e com surgimento de novas marcas. Porque o V8 e não o V12, no topo da lista? Tudo indica, as leis de controle de consumo e emissões inviabilizarão os grandes motores, daí desenvolver os menores, no caso um 3,9 litros. Dele extrair longevos 720 cavalos de potência é trabalho meritório. Acredite, é para durar tanto quanto o do seu automóvel: 250 mil km – mais se o dono não for bobo no uso, ou desidioso no manter.

É projeto consistente de desenvolvimento da família de motores, formando séries especiais, como o 360 Challege Stradale, o F430 Scuderia, o 458 Speciale, agora aplicado ao 488 GTB.

Como
Sinal dos tempos, o engenheiro convocado para arrancar mais potência do motor – eram 670 cv -, é especializado em turbos. Gian Franco Ferrari – nada a ver com Enzo – tem experiência direcionada. Sinal óbvio do caminho a ser seguido mundialmente.

Regra conhecida há milênios, quanto menos carga um cavalo carregar, mais esperto será, é levada a sério na indústria do automóvel, e assim o trabalho liderado pelo eng. Ferrari focou em ganhar potência no motor e reduzir peso total – incluindo o motor. Chamar-se Pista, indica pretensões. Marca investe – e bem lucra -, em divisão para cuidar dos carros de clientes focados em corridas e diversões, do tipo guarda o automóvel, cuida, transporta para o circuito, assiste-o durante as provas e o leva de volta para a fábrica. Para esta diversão, nos 488 GTB obteve 1.200 cv. Pista quer induzir negócios, e vendas a uso normal.

Redução de 50 kg no motor e uso de rodas em fibra de carbono e bateria de Lítio diminuíram peso geral em 90 kg.

O ganho de potência mudou 50% das peças, algumas óbvias: bielas Pankl fraturadas em titânio – mais leves e com aperto mais preciso -; pistões mais leves: aumento na taxa de compressão em 0,2 ponto, indo a 9,6:1; releitura do comando de válvulas com 1 mm a mais em curso; válvulas ocas; avanço da ignição em 2 graus.; redimensionamento dos coletores de escape, não mais fundidos, mas em tubos de Inconel; novo virabrequim removendo contrapesos e redistribuindo-os, e colos mais finos; volante-motor mais leve; novo Plenum em fibra de carbono; deslocamento das tomadas de ar para o motor, baixando a temperatura, refrigeração de água e óleo do motor.

Maior mudança, entretanto, está nos turbo alimentadores, mecanicamente com rolamentos de esfera para reduzir atrito – vão até 160.000 rpm, parametrizados eletronicamente em intensa, só dão torque máximo na sétima e última marcha.

Rico pacote de segurança para auxiliar controle. Por comentar, carros com motor entre eixos traseiro devem cuidar para o despejar de muito torque nas rodas nas saídas de curva impeça cavalos-de-pau – e acidentes – inesperados.

Andei nas ruas de Maranello e na estradinha montanhosa para Modena. Porém, ad cautelam optei por dirigi-lo em pista como último do dia. Éramos apenas dois brasileiros – outro, o engº Tarcísio Dias, do sítio Mecânica Online -, e havia três invisíveis elos em torno da experiência: ser brasileiro, coisa insólita em eventos internacionais restritos – isto tem enorme peso institucional em êxito ou má imagem; ter 50 anos de jornalista especializado – a jovens, erros são mascarados por testosterona mal administrada; a seniors, creditados à idade; ter domínio de estamina para não deixar o entusiasmo ser mais rápido que a capacidade de conduzir.

Temperatura invernal, casaco, balaclava plástica, capacete, deram-me o carro; ajustei o banco conferindo o nível entre o apoio do pé esquerdo e a superfície do pedal do freio – carros automáticos, sabem todos, são freados com o pé esquerdo. Um assistente ajustou o cinto de quatro pontos.

Liguei o automóvel. Agradeci a Alah ter-me levado até ali, e pedi a San Juan Manuel Fangio me olhasse. Marcha lenta a 1.000 rpm, com os turbos operando, redonda, sem trancos, distante dos esportivos mais antigos, a exigir acelerar o motor para fazê-lo sair – nem pouco para dar trancos, nem muito para não queimar a embreagem. Lastimei não haver alavanca de marchas nem o cloc do engrazar as marchas. Apenas botões, como num Fiat Betinense. Ao sair não parece um carro para corridas, exceto pelo ronco-de-Ferrari, ainda mais acendrado no modelo. Sai liso.

Dera duas voltas com o piloto oficial aprendendo as referencias da pista, como evitar demandar motor em excesso com o carro inclinado saindo das curvas, frear com vigor sobre o viaduto, evitando voo por calombo no piso, e como não acelerar durante certos 100m, para evitar barulho aos moradores, ali instalados pós implantação do circuito privado da Ferrari. Direção extremamente precisa, pouco mais de uma volta batente-a-batente. Viril. A ausência de embreagem dispensa crítica, quando usado o sistema exigia esforço camional – aliás motivador à criação dos Lamborghini. Dei a primeira volta a 5.500/6.000 rpm. Muito motor. É o V8 mais potente da Ferrari, e a 8.000 rpm exuda 720 cavalos de força pelo escapamento. Rápido, para comparar, vai da imobilidade aos 200 km/h em 7,2s! Colocado entre eixos traseiro, uma paredinha de lata o separa dele. Atrás dela, enorme tropa empurrando e urrando nos seus ouvidos.

Tem freios monumentais, suspensão acertadíssima, parece colado no chão. Segunda volta com mais entusiasmo, fazendo o câmbio de mudanças rapidíssimas mudar as seis marchas em torno do pico de torque, 6750 rpm, carro te provoca e leva a descobrir que, apesar de todos os socorros da brutal eletrônica embarcada – otimiza o motor pelo parametrizar a rotação dos turbos -, você percebe a qualidade da engenharia ainda permitindo sensibilidade ao condutor para se entender com o acelerador entre as posições extremas. Acelerá-lo em excesso pode significar provocar derrapagem lateral nas saídas de curva. Entendendo o fato, anda de maneira entusiasmante obedecendo a sequência, acelera, freia, tangencia, acelera, tudo de grande efeito sensorial. Uma dança sensual, uma grande experiência em sensações. (RN)

Teste em Fiorano. Protótipo

Novos  Gol e Voyage em maio


Volkswagen corre para mostrar novidades e sacudir entusiasmo e rendimento da rede de revendedores. Isto se refletiu no adiantamento das providências para o lançamento de versões de topo em Gol e Voyage. Como anteriormente anunciado pela Coluna, a previsão seria para julho, mas foi viabilizada para o próximo mês.

As duas novas versões serão as mais caras e equipadas da linha, todas com o motor EA 1,6, 117 cv e aplicação de transmissão automática – não é a mecânica automatizada. Tal conjunto existe no Polo. Complementação decorativa, trato de cores na grade, frisos cromados, opções de composição, como mudanças de lanternas traseiras no Voyage, baseadas nas empregadas no Virtus.

Roda-a-Roda


De volta – Coreana Ssangyong volta ao Brasil com 30 revendas e quatro produtos. Tivoli, pequeno SUV, com estilo Pininfarina a R$ 85 mil. Com traseira maior, XLV, R$ 98 mil. Diesel, SUV Korando e picape Actyon a R$ 130 mil.

Tivoli

Leque – Volkswagen Argentina, fabricante do picape Amarok, baixou preço nas versões com motor V6 pela versão Confortline, empregará transmissão 6 marchas, mecânica, com caixa redutora.
Aviso – Motor diesel, potência de 224 cv e 550 Nm de torque. À apresentação, dado para os revendedores da marca, preocupados com a chegada do picape Mercedes-Benz Classe X, também V6, diesel e 258 cv, e idêntico torque.
Resposta - VW tem na Europa, pronto, motor re mapeado para produzir a 258 cv e torque de 580 Nm – com Overboost, reprogramação eletrônica, 272 cv.
De volta – Boa notícia, indicativa da recuperação setorial: HPE, controladora da marca Suzuki no Brasil, reabrirá a fábrica de Itumbiara, onde montava os jipinhos Jimny. Catalão, onde produz os Mitsubishi, e ao momento constrói os Suzuki, continuará a fornecer serviços, como pintura.

Suzukis voltarão à fábrica original em Itumbiara, Go.

Duplicidade – JAC Motors anunciou acordo com a HPE, a operação Mitsubishi, para montar o utilitário esportivo T40. Operação idêntica à do lançamento do Jimny: uso das facilidades industriais em Itumbiara e Catalão, Go.
Dúvida - Logisticamente factível, mas a questão básica é nada haver como compromisso formal, garantia de investimentos ou reais, e contrato assinado.
Goiás – Goiás, com economia pelo agronegócio, ocupa posição de destaque em indústria automobilística: tem fábricas de Mitsubishi e tratores John Deere em Catalão; Hyundai – com linha de montagem Chery – em Anápolis; reativará Suzuki em Itumbiara; talvez JAC no mesmo burgo, vê implantar parque setorial em Ituiutaba, onde a chinesa Zotye diz fará veículos elétricos.
Conta – Disputa com o Rio de Janeiro a 5a produção de veículos no país.  
S.A. – Volkswagen Group tomou providências legais para unir suas diversas marcas de caminhões sob única razão social. Scania, MAN, Volkswagen Caminhões e Ônibus, e RIO, sob o guarda chuva de VW Truck & Bus passará de sociedade limitada a sociedade anônima com abertura de capital.
Negócio – Ano passado suas empresas se expandiram acima de 10% em vendas, faturamento e lucros; 205 mil veículos; 23,9 ME e 1,7ME. Ações devem ser bem recebidas nas bolsas.
Grande – Volkswagen tem 12 grandes marcas. De caminhão Scania a moto Ducati. Do refinado Bentley ao superesportivo Lamborghini. Há união de produtos no grupo. Audi, Lamborghini e Ducati estão juntas.
História – Próximo dia 30 país registrará 164 anos da inauguração da primeira estrada de ferro no Brasil. Ligava a local hoje pouco conhecido, o Porto de Mauá, recorte coberto e superado pela construção da estrada Rio-Petrópolis.
Ascensão – Brasil foi forte no setor, mas a soma das contas no governo JK, incluindo parcela como a construção de Brasília e os custos subsidiados para a operação ferroviária levaram o governo a poupar recursos, aplicando-os na abertura de estradas para fomentar viagens de veículos, consequência de uma das metas do então governo JK, implantar a indústria automobilística.
Fim – A partir de então estradas e ramais foram abandonados, partes arrendadas, e o trem serve para transporte de algumas cargas. O modal rodoviário, apesar do elevado custo combustível x desgaste de estrada x passageiro x km, mantém-se – será líder enquanto prevalecer nosso sistema de governo liderado pelo interesse do dia, sem planos para o futuro.
Antigos – Talladega Motors, responsável pelo leilão de antigos no XXIII Brazil Classics Renault Show, abriu inscrições para análise de veículos para venda até 30 de abril. Encontro, o mais elegante do país, será em Araxá, MG, 31.maio a 02.junho. Catálogo e inscrições para o leilão: issuu.com/leilaoaraxa/docs/catalogo-digital.
Tempo – Por anos o Encontro de Araxá foi patrocinado por Fiat e associados, local de apresentação de produtos. Edição 2016 Mercedes apoiou, e neste Renault assumiu com grande interesse. Neste exercício comemora 120 Anos e 20 Anos de produção no Brasil.
Situação – Nomofobiasigla em inglês para No Mobile, a falta de acesso aos telefones móveis – e a imbricação destes aparelhos com a vida atual foi dissertação de mestrado de André Senador, Diretor da Volkswagen, na Universidade Metodista, SP.
Livro - Virou livro Nomofobia 2.0 e outros excessos no relacionamento digital, com lançamento dia 25, quarta feira, no Rooftop5, prédio Tomie Otake, Pinheiros, S. Paulo.
Gente – Amplas mudanças no HondaOOOO Além de Marcel Dellabarba transferido da área de 4 rodas para motocicletas. OOOO Chefe novo, Pedro Rezende, gerente geral de RP, e novo chefe do chefe, Marcos Bento, diretor jurídico a quem comunicação foi agregada. OOOO Sérgio Bessa e Paulo Takeushi, ex diretores, aposentadoria educada, agora são conselheiros. OOOO Marcio Fonseca Filho, promoção na BMW. OOOO Era Gerente Sênior e ascendeu a Diretor de Pós Venda. OOOO Sucede Antonino Gomes de Sá, transferido para Suécia. OOOO Gilson Parisoto, antigomobilista, colecionador de Simcas, passou. OOOO.







* Roberto Nasser, edita@rnasser.com.br, é advogado especializado em indústria automobilística, atua em Brasília (DF) onde redige há ininterruptos 50 anos a coluna De Carro Por Aí. Na Capital Federal dirige o Museu do Automóvel, dedicado à preservação da história da indústria automobilística brasileira.



Leia> Coisas de Agora.

VENDA PARA O PERU AMPLIA PARTICIPAÇÃO DA IVECO BUS NA AMÉRICA LATINA.

Após a negociação de 14 chassis 170S28 para empresas peruanas, realizada no início de 2018, a IVECO BUS, marca CNH Industrial, concretiza a venda de outras 37 unidades do modelo, agora para a Corporacion Ares Servicios Generales, da cidade de Trujillo. A empresa é uma das maiores operadoras de transporte de passageiros no norte do país. "Os ônibus farão o transporte diário, fretamento intermunicipal, de aproximadamente duas mil pessoas", afirma Ricardo França, gerente de Vendas para Importadores da IVECO BUS na América Latina. O financiamento dos veículos foi realizado por meio da concessionária IVECO Motored, do Grupo Ferreycorp. 

A apresentação dos ônibus aconteceu no dia 19 de abril, em Lima, durante o "Desafio IVECO BUS", evento que apresenta ao público peruano o chassi 170S28, com carroceria Mascarello, e destaca os últimos avanços tecnológicos presentes nos produtos da montadora. 

Executivos da Motored e da IVECO BUS entregam 37 unidades do chassi 170S28 serão para a empresa Ares, no Peru. Foto: Fernando Contreras

O chassi 170S28, com carroceria Mascarello Roma M4, tem capacidade para 52 passageiros, amplo bagageiro e televisor multimídia no salão, reúne atributos como resistência, baixo custo de manutenção e alta tecnologia, além de apresentar evoluções tecnológicas para oferecer ao cliente a garantia de um produto robusto. 

Com o melhor consumo de combustível da categoria, o produto é projetado para cumprir as missões de acordo com as características e necessidades do cliente. Projetado e fabricado no Complexo Industrial da IVECO no Brasil, em Sete Lagoas(MG), o modelo de 17 toneladas opera em frotas de grandes empresas nos países da América Latina. No Peru, o chassi já está presente nas empresas  El Rápido, Nueva América, Kusa, Ares, entre outras, consolidando a presença da IVECO BUS no país. 

O executivo destaca ainda que a escolha pelo 170S28 se deu devido ao conforto e à segurança que o chassi proporciona aos passageiros e ao motorista. "Temos um produto que oferece o melhor custo benefício do mercado, quando comparado com os veículos tradicionais". 

Como consequência da nova aquisição, a Ares irá construir uma garagem exclusiva para receber os 37 ônibus, facilitando o suporte às operações da empresa, além de maximizar a gestão do pós-venda da IVECO BUS na região. 

Visite