sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

VW CAMINHÕES E ÔNIBUS ESTREIA NO SITE MUNDIAL DO GRUPO VW TRUCK & BUS.


A Volkswagen Caminhões e Ônibus segue na rota da internacionalização: a marca acaba de estrear no novo site corporativo mundial do grupo VW Truck & Bus, que reúne suas empresas com foco na união de forças nos mercados regionais mundo afora, no intuito da expansão global por meio da inovação.

A missão é conduzir o transporte a um nível avançado, já que um melhor transporte torna o mundo melhor graças a inovações na linha da digitalização, sustentabilidade e urbanização, o que inclui desenvolvimentos em eletromobilidade e combustíveis alternativos.

Já online - www.vwtb.com/en - o portal oferece informações como relatórios, gráficos e endereço para as redes sociais das marcas do grupo. Graças à navegação de menus focada e intuitiva, mais informações relevantes aparecem logo que os usuários clicam em uma área específica. A longo prazo, o site também se tornará uma plataforma de informação e diálogo para questões em torno da indústria.

A Volkswagen Truck & Bus GmbH é uma subsidiária da Volkswagen AG. Juntamente com as marcas MAN, Scania, Volkswagen Caminhões e Ônibus e RIO, está entre os principais fabricantes mundiais de veículos comerciais. Em 2016, as marcas da Volkswagen Truck & Bus venderam um total de cerca de 184 mil veículos. A oferta abrange veículos comerciais, caminhões e ônibus, que são produzidos em 25 locais em 17 países.

Em 2016 a empresa empregava cerca de 77 mil pessoas em suas marcas de veículos comerciais. O objetivo do Grupo é realinhar o Sistema de Transporte - com seus produtos e serviços e como parceiro para seus clientes.

Comunicação MAN Latin America.

Leia> Coisas de Agora.

Assista> TV Coisas de Agora.

DE CARRO POR AÍ.
Por Roberto Nasser*

JAC NASCERÁ EM GOIÁS?

Governo goiano alardeia assinar termos necessários para incentivar com renúncia de ¾ do valor do ICMS com a empresa com representação da chinesa JAC para fazer automóveis em Itumbiara, Go. Sergio Habib, o representante, tentou instalar a empresa na Bahia mas enfrentou sérios percalços, da saída do sócio chinês à chegada do projeto Inovar-Auto, uma deferência pessoal do governo Dilma, visando detonar a possibilidade aberta pela JAC, vender carros importados, equipados, a preço de nacionais pelados. 

Produtos serão os utilitários esportivos T40 e o futuro T50, e processo se baseará na marcha a ré industrial adotada pelo Inovar Auto, com mínima nacionalização, por montagem de peças importadas e pequenina agregação de partes nacionais.

Haverá rapidez no processo pois segundo consta Habib/JAC arrendaram a fábrica pronta e fechada pela HPE, a montadora de Mitsubishis, e ali montou jipes Suzuki. Industrialmente a capacidade inicial é de 7 mil veículos/ano.

Goiás é pouco lembrado polo automobilístico, mas sedia produção de Mitsubishis e Suzuki em Catalão; Hyundai e Chery em Anápolis; terá chineses JAC em Itumbiara; opera máquinas agrícolas John Deere na mesma Catalão.

JAC T40 será feito em Itumbiara, Go.

Enfim, a Inspeção Técnica

Contran, órgão normativo de trânsito, regulamentou a Inspeção Técnica Veicular. Obrigará todos os veículos a verificação de itens operacionais a cada dois anos para renovar licença. Será feita por órgãos públicos ou privados, chancelados por Detran de cada estado.

Decisão importante, aplica decisão anterior contida no Código de Trânsito Brasileiro, de 1997, necessária a depurar a frota dos veículos inseguros. Nada de invenção, ocorre em todo o mundo, de critérios não aleatórios, pois o órgão teve colaboração da AEA, a associação de engenharia automotiva.

Inicialmente serão motivos para não liberação os DMG, Defeitos Muito Graves ou DG, Defeitos Graves nos freios, pneus, rodas, equipamentos obrigatórios, equipamentos proibidos ou reprovação na inspeção de emissão de poluentes e ruído. No segundo ano, a inspeção incluirá o sistema de direção. Veículos reprovados terão 30 dias para correções e novo exame.

Carros com mais de trinta anos de produção, licenciados como Veículo de Coleção, com registro no certificado e placas pretas, estarão isentos.

Há movimento a partir de Brasília, petição eletrônica buscando reconsideração pelo Contran para isentar os antigos apenas antigos, não reconhecidos como De Coleção. Parece iniciativa sem possibilidade de êxito.

Boa ideia
O Contran criou o Roadmap, cronograma para as indústrias se prepararem a produzir os itens de segurança de aplicação futura, com segurança jurídica. O cronograma, à base de estudos técnicos para regulamentar itens a ser inspecionados. A obrigatoriedade deve se iniciar em 2019.

Com Prius Toyota lidera híbridos

Levantamento da Toyota indicou, ao superar a venda de 10 milhões de unidades de veículos híbridos, lideradas pelo Prius com 6,1M, terá evitado emissão de 77 milhões de toneladas de CO2, e reduzido o consumo de gasolina em 29 bilhões de litros, comparando-os com automóveis convencionais do mesmo porte e aplicação. A mudança faz parte das exigências da sociedade para melhor convívio com o meio ambiente, sólida tendência para o futuro. A Toyota entendeu-a e se preparou para assumir a liderança mundial na nova demanda, ao oferecer produtos com características de construção, utilização, preço e manutenção comparáveis aos veículos convencionais.

Olhos no futuro, a responsabilidade de sobrevivência em mercado mutante ante novas exigências, instigou a empresa à decisão de investir no caminho de criar a opção ao convencionalismo secular da formulação dos automóveis atuais, maioria do mercado.

Projeções da empresa sinalizam, para factibilizar os efeitos da redução de emissões e ganhos na qualidade do ar há que inseri-los no mercado e fomentar seu uso, significando substituir os carros convencionais, usuários dos motores endotérmicos pelos de nova tecnologia, e os híbridos são o primeiro passo para a mudança de comportamento dos consumidores.

A Toyota projeta, em 2050 não mais terá automóveis com motores de combustão interna. Em outubro de 2015 empresa anunciou seu Desafio Ambiental estabelecendo série de compromissos e desafios para aproximar-se do nível Zero em impactos negativos do automóvel, da produção ao uso.

Prius
Com o protagonismo de, há 20 anos produzir o primeiro híbrido em massa no mundo – além do Prius, vendido no mercado nacional, há outros -, e o foco de aproximar preço e facilidade de uso aos veículos convencionais, há uma aceleração pelo consumo do produto. Num mapa, em 20 anos venderam-se 10 milhões de unidades, numa aceitação crescente, e o milhão mais recente foi conquistado em apenas 9 meses.

Em quarta geração, agora construída sobre a nova plataforma modular da marca, a TNGA – Toyota New Global Architecture – focou em eficiência, desempenho ambiental, alta performance e prazer de condução.  

No Brasil o Prius lidera com ampla margem o segmento dos híbridos, num crescendo de aceitação. Nos 11 primeiros meses do ano vendeu 2.208 unidades, crescimento de 508% relativamente a 2016. Até o momento, desde 2013 quando iniciou vender o Prius no mercado brasileiro, em torno de 3.400 unidades foram vendidas. Sucesso está lastreado em preço contido, R$ 126.600, próximo ao modelo Corolla; em formas identificativas; conforto; praticidade e facilidade de uso; economia – quase 19 km/litro; manutenção com preços assemelhados aos serviços em Corolla; garantia de 8 anos para o sistema híbrido; motivação aos revendedores.

Toyota Prius, líder entre híbridos.

Roda-a-Roda

Fica? – Agência econômica JP Morgan em papel aos clientes informou estar a Ford analisando seriamente deixar a operação na América Latina, à vista dos enormes prejuízos acumulados nos últimos anos. Ford, naturalmente, negou.
Futuro? – Pode não sair, mas deve encolher, e aparentemente isto está há tempos no radar da matriz, pois a Ford Brasil não tem investimentos desde 2015. Condicionamento deve ditar revisão geral, como o futuro da fábrica em São Bernardo do Campo; a continuidade da produção de caminhões – só o Brasil e a Turquia fazem caminhões Ford.
De volta – Toyota volta importar sedã Camry. Lançado neste ano emprega motor V6, 3,5 litros, exibidos 310 cv, transmissão automática 8 velocidades, montados sobre nova plataforma TNGA. Encomendas abertas: R$ 189.900.
 – Problemas com o filtro de partículas do motor diesel em picapes Toro com transmissão mecânica ocorrem apenas na Argentina, onde reclamado. Aqui não há casos. Questão de uso. Filtro exige temperatura para auto limpar-se, e em Buenos Aires, para-e-anda em pequenas distâncias, não permite faze-lo.
Solução – Fiat fará pequeno manual ensinando o motorista a utilizar o veículo.
Multi – Volvo iniciou construir suv XC40 em Ghent, Bélgica. Vende-lo-á no Brasil ao início do segundo trimestre de 2018. Substituirá o XC60. É uma liga das nações: marca sueca, capital chinês, fabrica belga, vendas no Brasil.
Novo City – Festa de final de ano dia 20 Honda anunciará dados e detalhes do novo City 2018. Poucas mudanças de meio do ciclo: grade, faróis, para choques, procedimentos recentemente aplicados ao Fit. Missão, enfrentar Fiat Cronos e VW Virtus, de comercialização concomitante próximo ano.
Mercado – Janeiro, terceira semana, Volkswagen iniciará vender sedã Virtus.
... II – Fiat perdeu a corrida industrial e apenas terá seu Cronos um mês após. Apresenta-lo-á aos 06 fevereiro na fábrica de Ferreyra, Córdoba, Argentina.
Crença – Pablo Di Si, novo presidente da VW América do Sul, renovou crença de conduzir marca à liderança. Segundo disse, terá produtos – 25 até 2020 -, tem equipe, bom relacionamento com a rede revendedora.
Mico – Dentre os muitos prêmios de indicação profissional sobre veículos, há um Anti-Prêmio, o Pinóquio de Ouro, criação monocrática do jornalista Boris Feldman. Seu portal Auto Papo indicou laureado o picape Nissan Frontier.
Razão - A mentira justificativa da escolha é a afirmativa da marca sobre o eixo traseiro como tendo suspensão pelo sistema Multi Link. Induz pensar ser independente como o de automóveis de boa construção, mas a realidade é o uso de secular e incômodo eixo rígido.
Sem papo – Advocacia Geral da União negou pretensão do Prefeito de S Paulo de instalar radares para emitir multas por média horária. Disse, a legislação de trânsito não contempla tal possibilidade.
Mais uma – Two Flex, taxi aéreo, autorizada pela ANAC ligar cidades pequenas às maiores com linhas aéreas convencionais. Opera em Minas, ligando 17 cidades, com 18 monomotores turboélice Cessna Grand Caravan 9 passageiros.
Tradição – Nelson Piquet, filho, além da condução na internacional Fórmula E, volta na história: dirigirá na brasileira Stock Car pela Texaco.

Stock do Piquet.

Azul – Eleições no VCB – Veteran Car Brasília elegendo José Luiz German presidente; festa com pequena feira de artesanato para fazer recursos destinados a entidades de fins sociais. Ao final uma das voluntárias distribui brinde aos varões presentes: caixa de Viagra.
Reação - Manifestações machistas, declarações de desnecessidade ao uso, exceto antigomobilista mais objetivo, dizendo misturaria ao combustível; faria gasolina azul; e seu Ford modelo A teria rendimento de V8 !
Gente – José Antonio Valiati, CFO da Marcopolo, prêmio. OOOO O Equilibrista, pelo Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças, RS. OOOO Oliver Schmidt, 25 anos de VW, boa vida: VP de Finanças da Volkswagen Brasil. OOOO Veio da SAIC, sócia da matriz VW na China. OOOO Stefan Ketter, presidente da Fiat Chrysler América Latina, reconhecimento. OOOO Prêmio Líderes do Brasil na indústria automobilística brasileira. OOOO Julia Boch, alemã, financista, mudança. OOOO Diretora financeira da Porsche Brasil. OOOO Pamela Paiffer e Roberta Madke, da Ford, promoção. OOOO Novas gerentes para relacionamento com imprensa e corporativo. OOOO Boa solução doméstica para suprir vagas recém abertas. OOOO.

VW Virtus, pioneiro em inteligência artificial

Com lançamento em janeiro e em meio ao cenário onde os automóveis fazem crescente absorção de tecnologia e equipamentos de inteligência artificial para comunicação, o Volkswagen Virtus terá pioneirismo no setor: capacidade para ajudar motoristas. Qualquer dúvida sobre o conteúdo do Manual do Proprietário poderá ser esclarecida com pergunta verbal, pois o equipamento entende a linguagem natural como se fosse uma conversa. Consultas também podem ser feitas por escrito ou fotografia, pelo sistema Watson IBM Cloud. Recursos inéditos de conectividade e digitalização, permitem respostas práticas a demandas como utilizar plenamente o sistema de infodiversão pela tela de 20 cm, ou indagar como o telefone pode ser espelhado para entrar no arquivo do Virtus. Perguntas podem ser feitas em Português ou Espanhol.

Identidade
Comprador do Virtus pode baixar graciosamente o arquivo encontrável nas plataformas IOS (Apple) e Android (Google), para receber uma Identidade Volkswagen – um sistema comum às 12 marcas do grupo VW. A VW ID será vinculada à identificação alfanumérica do chassis. A identificação será do cliente e não do veículo, seguindo com ele em todos os Volkswagen que tiver, de caminhão Scania a moto Ducati, de VW a Bentley.

Sistema é para simplificar, e para cumprir sua missão se aperfeiçoa com a interação, podendo absorver sotaques. Em mensagens escritas segue as simplificações típicas desde modal de comunicação, como entender que “vc” significa “você, “qd” será quando, etcccc.

Exemplo claro: No recurso Comando de Voz, se cliente indagar: “como conecto meu celular no rádio?”. Sistema responde a todas as questões relacionadas ao produto, permite agendar revisões, recebe atualizações técnicas.

Resposta será: “Antes de tudo, a ignição precisa estar ligada, seus fones de ouvido desconectados e o celular desbloqueado e com Bluetooth ativado. Tudo certo? Então siga esses passos:”


Serão apresentados CARDS para o usuário, com imagens e textos.


VW Virtus, novo caminho.








* Roberto Nasser, edita@rnasser.com.br, é advogado especializado em indústria automobilística, atua em Brasília (DF) onde redige há ininterruptos 50 anos a coluna De Carro por Aí. Na Capital Federal dirige o Museu do Automóvel, dedicado à preservação da história da indústria automobilística brasileira.

Leia> Coisas de Agora.

Assista> TV Coisas de Agora.

FÁBRICA DA NEW HOLLAND RECEBE PRODUTORES RURAIS DE MATO GROSSO E SANTA CATARINA.

Visitantes conheceram uma das mais modernas unidades do mundo, responsável pela produção de tratores e colheitadeiras.

Produtores rurais de Mato Grosso e Santa Catarina visitaram a fábrica da New Holland em Curitiba para ter contato com a tecnologia empregada na produção de tratores, colheitadeiras e transmissões. A planta da marca é uma das mais complexas e modernas do mundo, e conquistou, este ano, o WCM Prata, uma das mais importantes certificações globais que rege a integração entre a gestão e os processos de produção.

Ao todo, 64 produtores da região das concessionárias Amazônia (MT) e Agrowerner (SC), após palestra realizada na Galleria New Holland, puderam conhecer as instalações da unidade. Foto: Kraw Penas. 

O agricultor Gilberto Possamai considerou positiva a visita na unidade. Ele produz, em Sorriso (MT), quase seis mil hectares de soja, feijão e algodão: “é ótimo ver a organização, tudo funcionando corretamente e com rigor na inspeção. Conseguimos ver o motivo dos produtos terem boa qualidade”.

Já Jucelei Theiss, produtor de arroz na região de Navegantes, destacou a tecnologia aplicada na fabricação. “O que chamou atenção na fábrica é a tecnologia embarcada, desde o escritório até a linha de produção. Foi uma experiência ótima”, afirmou Theiss.

Joci Piccini, diretor-presidente da Amazônia, afirma que a visita traz mais credibilidade ao apresentar a estrutura da fábrica. “É importante ouvirmos os clientes, que conhecem os processos de produção, o respeito que a marca tem com o meio ambiente, o investimento em tecnologia”, diz Piccini. 

Gerente comercial da Agrowerner, Cassiano Oenning afirma que é importante trazer o cliente para que ele conheça como é feito o produto. “Para ele ver a tecnologia que está embutida em todo o processo, ver o comprometimento da fábrica e das pessoas, e saber que existe o comprometimento também de uma grande família”.

“A New Holland abriu as portas da sua casa para o cliente, compartilha sua história e a sua tradição, sempre com o compromisso com investimentos. A visita na linha de montagem serve para o produtor ver o compromisso da marca com a qualidade, o meio ambiente e a inovação”, afirma Felipe Vieira, diretor de Marketing Comercial da marca.

Além do WCM, a unidade é certificada pelo ISO 9.001 (gestão de qualidade), ISO 14.001 (gestão ambiental), OHSAS 18.001 (gestão de saúde e segurança ocupacional) e ISO 50.001 (eficiência energética). 

Referência em tecnologia, sustentabilidade e produtividade, a fábrica completou 42 anos em 2017. Inaugurada em 25 de outubro de 1975, ela levou um ano e quatro meses para ficar pronta e foi a primeira a ser construída na Cidade Industrial de Curitiba (CIC). Antes da sua conclusão, na margem da BR-116, na capital paranaense, foi alugada a estrutura de uma antiga madeireira e iniciou a montagem então somente de colheitadeiras até a entrega da planta.


Página 1 Comunicação.

Leia> Coisas de Agora.

Assista> TV Coisas de Agora.

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

ALTA RODA.
Por Fernando Calmon*


JOGO DE CENA

Duas boas notícias brindam esse fim de ano e resolvem – ou pelo menos indicam caminhos – algumas pendências legislativas sobre assuntos de alto interesse para os consumidores de veículos, os fabricantes, os três níveis de governo e os cidadãos comuns, incluídos os não motorizados. Os temas são sensíveis: emissões e segurança passiva/ativa.

Esta Coluna sempre defendeu a Inspeção Técnica Veicular (ITV) de forma integrada, ou seja, um único centro de controle capaz de verificar simultaneamente itens ligados à poluição atmosférica e aqueles vitais para circulação segura. Inspiração é o modelo europeu bastante testado, a custos suportáveis e vigente por mais de meio século. Parece surreal que o Código de Trânsito Brasileiro, desde 1997, tenha previsto um programa nacional de inspeções e “apenas” 20 anos depois tenha sido regulamentado.

O Estado do Rio de Janeiro criou um arremedo de ITV, a partir de 1998, mas sempre foi algo polêmico e sem grande rigor técnico. Agora, a Resolução 716 do Contran estabelece a data de 31 de dezembro de 2019 para todos os governos estaduais iniciarem as inspeções. O prazo parece bem apertado e é improvável que os 26 Estados e o Distrito Federal cumpram integralmente o cronograma.

Persistem algumas dúvidas. As inspeções serão bienais e a partir do quarto licenciamento (veículos com mais de três anos de uso). No Rio de Janeiro é anual e teria, em teoria, de se ajustar. Também faltam esclarecimentos sobre periodicidade menor para motocicletas (por seu uso intensivo) e veículos leves a diesel (limites frouxos de emissões). Precisaria ainda uma campanha de esclarecimento para convencer muitos motoristas de que o valor da tarifa compensaria os gastos com a falta de manutenção preventiva. Por fim, possibilitaria algum grau de renovação da frota em médio prazo.

Ainda mais importante é a Resolução 717. Trata de uma previsão sobre itens de segurança que passarão a ser exigidos de todos os veículos novos importados ou produzidos no Brasil. Finalmente há uma iniciativa de racionalidade e, acima de tudo, de previsibilidade em um campo onde o País precisa avançar. No total são 38 regulamentações, de diferentes níveis de complexidade, porém respeitarão prazos rígidos de estudos e posterior implantação.

Estaria aberta, assim, a possibilidade em médio termo de um racional e efetivo Brasil NCAP (sigla, em inglês, para Programa de Avaliação de Veículos Novos), outra bandeira desta Coluna. Com uma frota de mais de 42 milhões de veículos leves e pesados, que continuará a se expandir ainda por muito tempo, é perfeitamente factível criar um roteiro de médio e longo prazos. O objetivo está claro: adequar nível maior de segurança aos volumes de produção que promoveriam uma relação harmoniosa entre custos, escala econômica e, principalmente, dentro do poder aquisitivo de quem compra os veículos.

Não basta oferecer modelos mais seguros. Precisam estar dentro da realidade do mercado nacional (ou regional, no caso Mercosul). Exigências em países desenvolvidos servem de parâmetro, mas tentar replicá-las aqui por mero voluntarismo, trata-se apenas de jogo de cena.

RODA VIVA

OTIMISTAS dessa vez acertaram. Anfavea admite que as vendas ao mercado interno, a partir dos números consolidados até novembro, deverão crescer 10%, acima de sua previsão de 7,3% para 2017. No mês passado, a média subiu para mais de 10.000 emplacamentos/dia e estoques se mantiveram dentro da normalidade: 34 dias. Só nível de financiamentos ainda preocupa.

EXPORTAÇÕES, por sua vez, continuam batendo recordes históricos seguidos. Este ano devem crescer cerca de 50% sobre 2016, o que impulsionou a produção e a recuperação de empregos. Até meados de 2018 todos os funcionários em layoff (suspensão temporária de trabalho) voltarão aos seus postos. Para o próximo ano já se fala em crescimento de até 15% do mercado.

KWID pode demorar ainda alguns meses para se consolidar no mercado de subcompactos, porém continua com ótima relação preço-benefício. Internamente, um pouco estreito e rústico no acabamento. Porta-malas muito bom, mas tanque de combustível é pequeno. Faltam apoio para pé esquerdo e pouco mais de “peso” no volante. Desempenho coerente com a proposta.

POLO foi eleito Carro do Ano 2018 pela revista Autoesporte. Outros vencedores: Audi A5 (Carro Premium); BMW Série 5 (Carro Superpremium); Nissan Frontier (Picape); Ford 1,5 3-cilindros, do EcoSport (Motor abaixo de 2 litros) e Chevrolet Ecotec, do Equinox (Motor igual ou acima de 2 litros). No total, 29 jornalistas e engenheiros votaram nessa 51ª edição do prêmio.

SSANGYONG ainda não fixou preços para os quatro produtos que chegam a partir de março próximo. Três SUVs e uma picape, no entanto, têm faixas de preços estimados bem competitivas. Importadora Venko espera comercializar até 10.000 veículos/ano (incluído novo Rexton), sem fixar datas. Com 30.000 veículos/ano seria possível pensar em operação CKD.



Fernando Calmon - fernando@calmon.jor.br - é jornalista especializado desde 1967, engenheiro, palestrante e consultor em assuntos técnicos e de mercado nas áreas automobilística e de comunicação. Sua coluna Alta Roda começou em 1999. É publicada no Coisas de Agora, WebMotors, Gazeta Mercantil e também em uma rede nacional de 52 jornais, sites e revistas. É, ainda, correspondente para a América do Sul do site Just-auto (Inglaterra). 
Siga: www.twitter.com/fernandocalmon www.facebook.com/fernando.calmon2.



Leia> Coisas de Agora.

Assista> TV Coisas de Agora.

CAMPO DE PROVAS DA BRIDGESTONE NO BRASIL COMEMORA 20 ANOS.

Desde a sua inauguração, o centro de testes avaliou mais de 3.000 veículos em 10.800 jogos de pneus de carros de passeio, caminhonetes e caminhões

A Bridgestone, maior fabricante de pneus do mundo, está comemorando 20 anos de operações do seu campo de provas no Brasil. Com sede na cidade de São Pedro - SP, o centro de testes foi planejado para atuar no desenvolvimento de todos os tipos de pneus da companhia e realizar avaliações completas de veículos automotivos. Desde a inauguração do campo, foram avaliados no local mais de 3.000 veículos em 10.800 jogos de pneus de carros de passeio, caminhonetes e caminhões.   

As avaliações técnicas são feitas com testes práticos e de forma padronizada nas diversas pistas do campo de provas. O centro técnico possui a pista de frenagem e hidroplanagem que são utilizadas para medições de distância de parada e aquaplanagem em linha reta e em curva. Já a pista de dinâmica veicular, ruído, vibração e aspereza são para testes do comportamento dos pneus na dinâmica do veículo, conforto e ruído. Enquanto a pista de dirigibilidade serve para avaliar o comportamento dos pneus no veículo em condições de velocidade acentuada em curvas.

O centro técnico possui estrutura equipada e com 28 aplicações diferentes de superfícies para ruído e conforto, apresentando características técnicas e climáticas que simulam as condições locais e internacionais, a fim de assegurar o desempenho adequado dos pneus para o mercado brasileiro e de exportação.

“Desde o começo, o projeto foi idealizado com o objetivo de atender a nossa missão corporativa de “Servir à Sociedade com Qualidade Superior”. A empresa procura cumprir esta responsabilidade alavancando seus pontos fortes e criando inovação e tecnologias avançadas para oferecer os níveis mais altos de conforto e segurança”, explica Mario Pinheiro, gerente geral do campo de provas da Bridgestone.

A unidade realiza cerca de quatro testes por semana e recebe pneus de todas as fábricas da Bridgestone do Brasil, além das outras unidades da América do Sul. Sua localização é central para as principais indústrias automotivas do Brasil e suas instalações estão 100% adaptadas aos testes obrigatórios do Programa Brasileiro de Etiquetagem que indicam a resistência ao rolamento, aderência ao molhado e ruído.

“Nestes 20 anos de atuação, desenvolvemos testes inovadores que melhoram a qualidade e a eficiência dos pneumáticos. Buscamos sempre o maior desenvolvimento técnico, aprimoramento e refinamento das avaliações e testes e melhor aproveitamento do potencial humano, pois este é o usuário final do produto aqui desenvolvido”, finaliza Pinheiro.


Bridgestone.
Máquina Cohn & Wolfe.

Leia> Coisas de Agora.

Assista> TV Coisas de Agora. 

NEW HOLLAND CONSTRUCTION LANÇA NOVO SITE DE ESCAVADEIRAS HIDRÁULICAS SÉRIE C EVO.

Espaço trás informações detalhadas sobre a linha de produtos da marca, que atendem desde aplicações mais leves até a mineração.

Com visual clean e estrutura renovada, a nova página na internet reflete todo o potencial da linha de escavadeiras hidráulicas da New Holland Construction para o fornecimento de soluções, desde aplicações mais leves até a mineração, de 13 a 50 toneladas. O site que prioriza a navegação rápida, valorizando as informações sobre os produtos, com a possibilidade de até fazer um tour 360º por dentro e por fora das máquinas. O visitante encontra ainda detalhes sobre financiamento e a localização das concessionárias da marca.

No primeiro semestre de 2017, a New Holland Construction, empresa de construção da CNH Industrial, ampliou a linha de escavadeiras e de produtos fabricados no País. Dos oito modelos de escavadeiras hidráulicas, seis passam a ser fabricados na planta de Contagem (MG) e podem ser adquiridos pelas principais linhas de crédito de financiamento do BNDES, entre elas Finame, Finame Agrícola e Pronamp. São eles: E145C EVO (13 toneladas), E175C EVO (18 toneladas), E215C EVO (21 toneladas), E245C Evo (24 toneladas), E385C EVO (35/40 toneladas), E405C EVO (45 toneladas),  E485C EVO e E505C EVO (50 toneladas).

 “Além de mais crédito, a nacionalização traz vantagens, como o estímulo à indústria brasileira, pois exige que pelo menos 60% das peças sejam nacionais, e ainda protege os clientes das oscilações cambiais”, explica Rafael Ricciardi, especialista de Marketing de Produto da New Holland Construction.

Responsável por lançar a primeira escavadeira hidráulica do Brasil, a S90, em 1973, a New Holland Construction está no País há mais de 65 anos e é referência em tecnologia no mercado. “O novo site de produto não é diferente e segue as mais modernas tendências adotadas em ambientes virtuais corporativos. Lá o usuário encontra informações importantes sobre os diversos modelos, galeria de fotos em estúdio e em atividade de campo, espaço onde você poderá fazer um tour 360 dentro da cabine”, destaca Ricciardi. Confira em: www.newholland.com.br/serie-c-evo.

Atendimento

Com pontos de distribuição em todos os estados do Brasil e na América Latina, a marca tem hoje uma das mais amplas coberturas de mercado da indústria de equipamentos de construção. A rede conta com treinamentos técnicos e comerciais presenciais em fábrica e treinamentos online para garantir atualizações constantes de produto e serviço.

Em Contagem também são produzidas outras quatro linhas de produtos da New Holland Construction, somando 18 equipamentos: as pás-carregadeiras 12D, w130B, W170B e w190B; as retroescavadeiras B95B e B110B; as motoniveladoras RG140B, RG170B e RG200B e os tratores de esteiras D140B, D150C e D180C. Os demais  modelos ofertados para o mercado nacional são importados.

Página 1 Comunicação.

Leia> Coisas de Agora.

Assista> TV Coisas de Agora. 

ESCOLA MUNICIPAL ROSÁRIO DE SÃO FRANCISCO É A ESCOLHIDA PARA O PROJETO ESCOLAS DA FUNDAÇÃO MARCOPOLO.

Entidade atende mais de 600 estudantes na zona oeste de Caxias do Sul.

A Escola Municipal de Ensino Fundamental Rosário de São Francisco foi a escolhida na nona edição do Projeto Escolas da Fundação Marcopolo e receberá da entidade investimento de recursos humanos e financeiros nos próximos três anos.

Localizada na zona oeste de Caxias do Sul, no bairro Rosário II, a Escola Rosário atende 634 alunos e tem cerca 60 professores efetivos. A instituição apresentou um projeto bem estruturado, mostrando a sua forma de atuação com os estudantes e o relacionamento com a comunidade, bem como suas principais necessidades de melhoria.

"Foi uma escolha bem difícil e apertada, visitamos as seis escolas pré-selecionadas, pois o objetivo era conhecer cada projeto, o ambiente escolar e definir qual a instituição mais indicada para receber o projeto da fundação. Iniciaremos 2018 realizando o planejamento anual com a equipe diretiva e pedagógica", explica Lusuir Grochot, diretor da Fundação Marcopolo.

Representantes da Escola Marianinha Queiroz, da Fundação Marcopolo e o diretor da entidade, Jader Alberto Peter Vaniel, entregam a placa para integrantes da Escola Rosário de São Francisco. Foto: Vera Medeiros.

O Projeto Escolas surgiu em 2003, após um mapeamento feito junto aos colaboradores da Marcopolo, que sugeriram que a Fundação Marcopolo realizasse um trabalho educativo nas escolas do município de Caxias do Sul. Nestes 15 anos, cerca de 4.200 estudantes foram beneficiados com o projeto em oito escolas participantes. De 2009 a 2017 a escola contemplada foi a E.M.E.F. Professora Marianinha Queiroz.

Com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento do ambiente educacional, das relações entre a comunidade escolar e a formação para a cidadania, o Projeto Escolas favorece a Educação Integral por meio de atividades socioeducativas e busca o desenvolvimento das diversas dimensões do ser humano. Entre as ações do projeto estão a capacitação dos professores, cursos técnicos preparatórios para o mercado de trabalho, atividades esportivas e introdução de música na escola por intermédio de orquestra e coro. Além disso, oferece suporte a projetos por meio de recursos humanos e financeiros.

O Projeto Escolas é um importante programa para a melhoria do ambiente escolar, desenvolvido em parceria com entidades de ensino municipais e estaduais. Este ano, 38 escolas participaram do processo de seleção aberto à comunidade educacional de Caxias do Sul.

Clique aqui e saiba mais sobre o Projeto Escolas da Fundação Marcopolo. 

Secco Consultoria de Comunicação.

Leia> Coisas de Agora.

Assista> TV Coisas de Agora. 

CAMINHÕES VW: A POSTOS PARA MANTER A ENERGIA ELÉTRICA ATIVA NA TEMPORADA DE CHUVAS NA CAPITAL PAULISTA.


A poda das árvores e o cuidado para que não comprometam a rede de distribuição elétrica redobram no verão, estação caracterizada por fortes chuvas. E a Eletropaulo já está pronta: acaba de reforçar sua frota com 13 novos caminhões Volkswagen 15.190, equipados com sistema que recolhe, tritura e compacta os galhos de árvore, otimizando as viagens e tornando a operação mais eficiente.

“Cada viagem no caminhão equipado com o sistema equivale a 27 viagens de outro veículo convencional, que apenas recolhe os galhos. Isso porque, ao triturar a carga, reduz seu volume e potencializa a manutenção nas ruas”, explica Luis Alberto Rezende Valério, coordenador de Gestão de Frotas da Eletropaulo.

“Ou seja, são dois equipamentos num só: temos o triturador, que compacta a carga, e o caminhão, que transporta aos ecopontos, com os quais temos parceria”, explica o coordenador.

Segundo Valério, a escolha pelos caminhões VW para desempenhar essa importante missão focou a robustez e o custo-benefício dos veículos da marca. “Os VW são cerca de 30% mais econômicos que a concorrência. E além de serem muito confiáveis, eles contam com um suporte excelente da rede de concessionários. A Dibracam, que nos atende, realiza frequentemente cursos e treinamentos para nossas equipes”, reforça.

“O nosso diferencial é o atendimento específico ao setor em parceria com a rede de concessionárias, pois exige profissionais dedicados tanto na área de venda, engenharia e pós-vendas. O cliente deste segmento precisa cada vez mais de um caminhão customizado e preparado para o tipo de atividade, que é bem específica. Graças a este foco, ampliamos nossa participação em 35% nos últimos anos”, comenta Antonio Cammarosano, diretor de Vendas de Caminhões da MAN Latin America.


O Worker 15.190 é ideal para operações urbanas, conferindo também agilidade e rapidez aos serviços rodoviários de curtas e médias distâncias. Um de seus principais diferenciais é o motor MAN D08 de 4,6 litros, quatro cilindros e potência de 190 cv, sistema de injeção Common Rail e tecnologia EGR, que dispensa o uso do Arla 32.

Oferece excelente desempenho mesmo em baixas rotações e garante benefícios como retomadas de velocidade, baixo consumo de combustível e menor emissão de poluentes. A transmissão Eaton de seis marchas com acionamento a cabo, proporciona maior conforto ao motorista e maior durabilidade ao sistema de embreagem. 
 
Comunicação MAN Latin America.

Leia> Coisas de Agora.

Assista> TV Coisas de Agora.

TRATOR STEIGER DA CASE IH APRESENTA A MAIOR EFICIÊNCIA DE COMBUSTÍVEL DO MERCADO.

Durante testes realizados nos Estados Unidos, o trator Steiger Quadtrac 620 da Case IH mostrou um desempenho superior a todos os outros concorrentes de esteiras nos seguintes quesitos: melhor consumo de combustível na barra de tração, força na barra de tração e tração máxima. Esse resultado vai de encontro aos números apresentados no começo do ano para o modelo com rodas do Steiger 620. As avaliações foram realizadas recentemente no Nebraska Tractor Test Laboratory (NTTL - Laboratório de Testes de Tratores de Nebraska).

“Esses resultados provam que os tratores Steiger apresentam a maior e mais eficiente transferência de potência para o solo”, afirma Mitch Kaiser, gerente de Marketing dos Tratores Steiger da Case IH nos EUA. “Mas a questão não é só sentir essa potência no assento do operador. É importante que haja uma transferência eficiente de potência para o solo para carregar implementos maiores ou os que você já têm de maneira mais rápida, para cobrir uma área maior por dia”, complementa Kaiser.

O NTTL é o laboratório oficial de testes de tratores nos EUA e avalia as máquinas de acordo com as regras da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Ao todo, 29 países seguem as regras de testes em tratores da OCDE, com bases ativas de testes em 25 países do mundo.

 Motor com design “Efficient Power”

A tecnologia de emissões de redução catalítica seletiva do motor do Steiger pode ajudar em diversas situações de carregamentos pesados, oferecendo maior economia de combustível e geração de potência que os propulsores da concorrência. Ela também faz com que a motorização funcione de maneira mais limpa, o que amplia os intervalos de troca de óleo (600 horas para o Case IH contra 450 horas para a maioria das unidades concorrentes), consequentemente reduzindo os custos de operação e a necessidade de manutenção. Devido a uma transmissão eficiente, o trator também oferece mais potência de tração para aumentar a produtividade.

 Kurt Druffel, agricultor da cidade de Pullman, em Washington (EUA), concorda com os resultados. Ele já operou tratores de quatro esteiras da Case IH e de um dos concorrentes. “O Quadtrac da Case IH se recuperou mais rápido e retomou a velocidade em um ritmo mais consistente do que os outros que operei”, avalia Druffel.

Mitch Kaiser lembra que os benefícios da potência de tração adicional vão além da recuperação rápida. “Com quase 13 cv de potência adicionais na barra de tração, você pode cobrir uma área maior por dia”, destaca Kaiser. “Seja cultivando, semeando ou simplesmente puxando uma carreta graneleira, você terá mais potência a sua disposição para enfrentar condições precárias em que cada cavalo de potência é necessário”, complementa Kaiser.

Design com tração 4x4 comprovado

Em cada trator Steiger Quadtrac, com quatro esteiras conduzidas individualmente com tração positiva e eixo oscilante, há mais de 20 anos da melhor tecnologia de tração do setor. Esses sistemas 4x4 apresentam um design exclusivo, com cinco eixos para distribuir o peso de maneira igual e consistente. Cada esteira mantém contato permanente com o solo, oferecendo aos produtores conforto, pressão ideal, flutuação superior, maior tração e menos compactação.

Os resultados do NTTL refletem o processo de design de produto voltado para o cliente da Case IH, que inclui grupos focais e testes intensos tanto por clientes quanto por engenheiros para garantir que o equipamento seja desenvolvido especialmente para a agricultura de alta eficiência. Esse design resultou em um sistema de direção com taxa variável padrão para um funcionamento mais eficaz e na exclusiva suspensão da cabine de quatro pontos para o maior conforto do operador.

“Mesmo se só ficar sentado, você sente menos vibrações. O trator da Case IH proporciona um deslocamento mais suave”, comentou Nicholas Strom, um produtor de milho e soja da Dakota do Sul (EUA), que já usou tratores de esteiras da Case IH e de uma concorrente. “Você sacode um pouco mais e consegue até ver o movimento mais violento do capô no da concorrência porque a cabine balança muito. Não tem nada disso no Case IH. É muito mais confortável”, finaliza Strom.

Visite: caseih.com.br.

Página 1 Comunicação.

Leia> Coisas de Agora.

Assista> TV Coisas de Agora.